O PROCESSO DE GRAVAÇÃO EM ESTUDIO!

O PROCESSO DE GRAVAÇÃO EM ESTUDIO!


cab-materiaO PROCESSO DE GRAVAÇÃO EM ESTUDIO!

O objetivo do texto de hoje é dar um idéia rápida, sem muito detalhe técnico para muitos, sobre a diferença e os processos principais na gravação musical e fabricação seja para impressão em vinyl, CD ou outro meio de audição.

Boa leitura!

Três são os passos principais, no processo de gravar uma música:

Gravação

Mixagem

Masterização

 

1_Gravação ou Tracking

Gravação é essencialmente o processo de gravar músicas em estudio e é o primeiro passo na obtenção de um som para ser ouvido no vinyl, no CD, nos ipod´s/ipad´s e outros leitores de audio disponíveis.

O nome em ingles é “Tracking” e vem do fato de que cada instrumento é gravado individualmente, tendo a sua própria “track/trilha” na mixagem, de modo que o equilíbrio e som de cada um possa ser controlado mais tarde, aumentando volumes, deixando mais grave, mais agudo, com efeitos etc…

Originalmente, “track” se referia a fita analógica de largura fina, que armazenava o audio, hoje, no sistema digital normalmente o audio fica num arquivo em disco rígido via computador.

As gravações podem ser “ao vivo”, com todos os musicos tocando ao mesmo tempo; ou um instrumento de cada vez; ou uma mistura dos dois processos.

A escolha depende ás vezes do local, se o estudio é grande ou pequeno, da facilidade e disponibilidade dos musicos; um exemplo foi o disco “Duets” de Frank Sinatra, onde apenas um ou outro artista gravou junto com ele, a maioria gravou em estudios pelo mundo e dai foi enviado o arquivo para os estudios da Capitol, onde Frank gravava a voz principal!

Os objetivos mais importantes na Gravação são:

  • Gravar em um grande espaço – muitas vezes um estúdio de gravação com área maior que 100m²…isso possibilita diversas colorações nos sons gravados, em função da distancia entre instrumentos, dos materiais das paredes e tetos.
  • Obter o melhor som para cada instrumento ou voz através de uma boa escolha de microfones e o posicionamento destes da fonte sonora.
  • Evitar o vazamento entre instrumentos, ou seja obter uma boa separação entre os instrumentos para permitir um maior controle na fase de mixagem.
  • O mais importante – obter um ótimo desempenho de musicos e cantores!

Se você tem interesse ou esta planejando gravar em um estúdio, NÃO PERCA o próximo post que publicaremos:

“10 passos para obter uma boa gravação e mixagem.”

 

2_Mixagem

A Mixagem é o processo de “misturar” todas as trilhas individuais feitas na gravação, para criar uma versão da musica que deverá soar tão bem quanto possível – tambem chamamos de “mix”.

O processo pode incluir:

  • Editar e equilibrar os níveis das trilhas que foram gravadas.
  • Ajustar o som de cada instrumento ou voz utilizando equalizadores , compressores, e outras ferramentas de melhoria de timbres.
  • “Efeito panning” é o posicionamento dos instrumentos nas trilhas em espaços diferenciados de forma a criar uma “imagem” estéreo entre os alto-falantes.
  • Adicionando efeitos como reverb, harmonizer, exciters e outros efeitos para realçar ou “assentar” as trilhas gravadas no “mix”.

Na Mixagem muitas vezes também é necessario uma boa dose de edição – escolher as melhores partes de cada take de uma música, e às vezes até a construção de elementos musicais a partir do zero, via MIDI por exemplo. Às vezes, existe tanta edição envolvida que se forma uma fase bem separada entre o que foi gravado e a mixagem.

 

3_Masterização

Masterização é o processo de encadear uma seleção de musicas em um álbum (ou único ou lista de reprodução, ou podcast …etc) e combiná-los para criar um master final para impressão.

Alem disso, o processo deve fazer a sua música soar o melhor em termos de volume e coesão das trilhas e instrumentos.

Na mixagem você está equilibrando os instrumentos para obter um grande “mistura” em cada música, na Masterização você está equilibrando as musicas entre si obtendo uma grande sequência com um mesmo volume aparente.

Esse processo é muito sutil, envolvendo pequenos ajustes para “polir” as mixagens existentes, por meio de ajustes em pequenos problemas de mixagem, ou em alguns casos, quando possivel, restauração drástica destes problemas.

Basicamente a Masterização envolve:

  • Manter o nível e equilíbrio tonal (EQ) das musicas
  • Controlar o range dinâmico – como o volume é alto e/ou suave em cada parte da musica, para manter o interesse do ouvinte, dar “punch/ “força” á musica.
  • Edição de “picos e vales” – Ajustar o início de um fim de cada musica_fade in/fade out, as lacunas, enfim criar uma sequência convincente.
  • “Consertar” quaisquer problemas pendentes possíveis oriundos da mixagem…quando não é possível, devolve-se para remixar a musica.
  • Criação de um master de fabricação confiável, incluindo informações como PQ, os códigos UPC / EAN, ISRCs, CD-Text, etc.

 

Dito tudo isso …

Na realidade, a fronteira entre esses diferentes processos é frequentemente tão próxima a ponto de não ser possível definir bem claro essa fronteira em muitos casos!

No inicio dos anos 60 os tres processos eram feitos todos praticamente no mesmo estudio, eram grandes gravadoras e cada uma fazia tudo “em casa”.                                                                                        

Nos anos 80 com a aproximação e mesclagem entre o analógico e digital, a gravação e mixagem eram feitas em um estudio e as masterizaçoes em outros estudios especializados, que surgiram só para esse processo.

Agora nos anos 2000, devido á facilidade no campo digital de SW´s, simuladores, computadores e o custo baixo desses equipamentos, muitos estudios e home studios voltaram a fazer os 3 processos “em casa”, ou seja, gravam, mixam e masterizam seus trabalhos.

Com a queda de venda dos CD´s e surgimento de plataformas de audio que vendem e reproduzem CD´s por faixa, a fabricação convencional de gravar 10 ou 12 musicas vem diminuindo, passando os artistas a gravarem EP´s (3 a 6 musicas) ou singles, e colocam o material em faixas nas plataformas de vendas de audio.

Enfim, foi a partir do final dos anos 60, com artistas como os Beatles, que a mixagem gradualmente tornou-se  um processo mais e mais criativo interagindo até fora de seus dominios. Hoje é comum parte de um mix  interagir com trilhas sendo gravadas e muitas vezes a edição e mixagem ajudar a moldar ou formatar a forma como as músicas são escritas e compostas.

Assim, a gravação, mixagem e masterização podem agora, serem todos parte da mesma sessão. O que não significa que não seja util você saber a diferença entre estes processos!

 

Até a próxima!

Você deve estar logado para postar um comentário